A vida após o Covid no franchising

Franqueados falam sobre união e solidariedade durante tempos difíceis. E contam como está sendo olhar para frente ainda lidando com o hoje.

Originalmente publicada em:

https://www.franchising.com/articles/life_after_covid.html

Enquanto Eric Werner continua a adotar uma abordagem de um dia de cada vez para navegar em suas operações no Texas por meio da Covid-19, o franqueado multimarcas também está focado na recuperação sustentável para crescimento futuro.

Werner, proprietário de 41 restaurantes Subway e 8 spas Beverly Hills Rejuvenation Center, experimentou mais baixas do que altas nas primeiras semanas da pandemia de coronavírus. Suas vendas do Subway caíram 70% no início, e ele foi forçado a fechar seus med spas. Em meio ao medo do desconhecido, ele começou a trabalhar exaustivamente aprendendo as nuances das opções de alívio ao coronavírus, porque, diz ele, as informações ajudam a tomar boas decisões.

Apoio inesperado

“O que eu não esperava era o apoio vindo de fora”, diz Werner, que também é franqueado do Little Caesars e do fast-casual de frutos do mar The Catch. “Foi muito legal. Você teve ajuda de bancos, proprietários, fornecedores e franqueadores. Todos se uniram ao seu redor – pessoas que estavam lá para nós de verdade. ”

Talvez nunca a popular frase de efeito “Estamos todos juntos nisso” tenha significado mais em relação ao setor de franquias. Um setor onde a rede de uma marca é tão forte quanto seus franqueados. Conforme os operadores de costa a costa começam a transição do modo de sobrevivência para reimaginar novas formas de fazer negócios, os franqueados com várias unidades estão compartilhando os sentimentos de Werner.

Omar Simmons, um dos maiores franqueados da Planet Fitness, credita a colaboração de todo o sistema de melhores práticas e estratégias em áreas como negociações com proprietários, marketing e desenvolvimento como a chave para a capacidade da marca de se adaptar ao cenário em mudança.

“Todos os que estão ligados ao nosso negócio contribuíram para nos ajudar a suportar esses tempos sem precedentes”, disse Simmons, fundador e sócio-gerente da Exaltare Capital Management. “Nossos proprietários, credores, franqueadores, outros franqueados e nossa equipe têm sido incríveis. No final, nenhum de nós é independente. Precisamos uns dos outros para ter sucesso ”.

Novas parcerias

A Planet Fitness fez parceria com suas franquias para desenvolver um manual de operações da Covid-19 com foco em protocolos de saneamento elevados e procedimentos de segurança. A orientação documentada da força-tarefa pavimentou o caminho para convencer governadores, médicos, funcionários e membros do conselho de que a marca poderia abrir suas portas e operar com segurança, diz Simmons.

Simmons está agora entrando no que ele diz ser “a parte mais gratificante dessa luta”: receber de volta funcionários e membros dispensados ​​em 103 academias Planet Fitness em 6 estados e no Canadá.

“Fui abençoado com uma equipe extraordinária”, diz ele. “Nenhum negócio funciona bem com meses de receita zero. Nossa equipe minimizou nossa taxa de prejuízo, manteve a equipe preparada e ajudou a co-criar um forte plano de reabertura personalizado para manter todos seguros em um mundo pós-Covid e pré-vacina. Ainda temos muito trabalho a fazer ao reabrirmos para servir nossos membros, mas eu não poderia estar mais grato ”.

Um salto antecipado

David Barr, franqueado de várias unidades de 30 restaurantes KFC e Taco Bell, também esteve na linha de frente para garantir que a franquia obtivesse sua parte justa de empréstimos diferenciados. Barr, presidente da PMTD Restaurants e suas afiliadas, também é franqueado de várias marcas, incluindo a loja de sanduíches Capriotti, The Spice & Tea Exchange e The Lash Lounge.

Tendo visto o impacto do vírus nos negócios na China apenas 2 meses antes da pandemia chegar aos EUA, o experiente executivo da franquia defendeu um foco na liquidez para todas as empresas nas quais ele tinha uma participação como franqueado, franqueador ou membro do conselho. Ele recomendou “revisar as necessidades da folha de pagamento conforme o comportamento do consumidor e das ordens do governo, ter conversas imediatas com os proprietários e ter certeza de que as linhas de crédito estão disponíveis”.

Barr também trabalhou para encontrar credores e auxiliar nos pedidos de franqueados associados às 8 marcas onde ele mantém investimentos ou assentos no conselho. “Um sistema de franquia é tão bom quanto seus franqueados e, do outro lado da Covid-19, acreditamos que é importante que os franqueados estejam bem capitalizados”, diz ele.

Respostas personalizadas

A pandemia afetou cada um dos negócios de Barr de maneira diferente, exigindo uma resposta personalizada para cada um. “Em nossos KFCs e Taco Bells, experimentamos quedas imediatas nas vendas, mas tínhamos a sensação de que os negócios de entrega e drive-thru voltariam e, portanto, não dispensamos nenhum funcionário. Em outros negócios, onde tínhamos que fechar 100% das operações, mantivemos os gerentes na folha de pagamento com o salário integral e dispensamos os funcionários que ganhavam por hora ”, diz ele.

“Como empregadores, sei que muitos de nós sentimos que estamos competindo contra o aumento do seguro-desemprego. No entanto, sempre existe o bem após o mal. O bom é que sabíamos que nossos funcionários licenciados podiam estar seguros e sustentar suas famílias. Agora estamos ansiosos para a reabertura da economia e ter todas as nossas equipes juntas novamente. ”

Segurança em primeiro lugar!

A natureza do sistema de franquias também permitiu que os franqueados se adaptassem e ajustassem rapidamente os sistemas e processos. Quando a loja de rosquinhas e café norte americana Dunkin limitou o serviço de loja para drive-thru, take away e entrega apenas, eles rapidamente refinaram seu modelo de negócios, implementando um bônus de periculosidade/presença para recompensar os funcionários que permaneceram no trabalho; mantendo turnos de equipes limitados a uma única loja; e contratando uma empresa de limpeza com procedimentos de saneamento para estar de plantão, se necessário.

Eles também intensificaram o marketing para promover os benefícios do aplicativo On-the-Go Mobile Ordering da marca, que permite aos clientes fazer pedidos com antecedência e pagarem remotamente.

“Tentamos fazer a mesma coisa em todos os lugares para que as práticas fossem mais fáceis de implementar, fiscalizar e seguir”, diz Robert Branca. “Na verdade, esse é o DNA da franquia em geral. Seguimos o padrão mais rígido e fornecemos máscaras, luvas, desinfetante e redobramos os procedimentos de limpeza existentes. Segurança alimentar e saneamento já são uma segunda natureza para nós, assim como servir através do drive-thru. ”

Se preparando para o próximo novo normal

A necessidade de as operadoras adotarem uma abordagem de “informação é poder” continua vital para a recuperação, à medida que as empresas emergem da pandemia com mais perguntas operacionais do que respostas. Decisões difíceis aguardam os franqueados que navegam no próximo novo normal.

“Tivemos dificuldade em chamar as pessoas de volta do desemprego, seja por causa do aumento do seguro-desemprego, seja por temores genuínos de saúde para eles próprios ou membros da família suscetíveis em casa”, diz Robert. “Acho difícil dizer a um trabalhador que está com medo por motivos de saúde que‘ fazer a coisa certa ’é voltar ao trabalho, especialmente se for economicamente menos vantajoso para sua família.”

Werner, cujos Centros de Rejuvenescimento em Beverly Hills estão funcionando com procedimentos atualizados à medida que as vendas de seu restaurante voltam ao normal, diz que os proprietários terão que continuar a lidar com “montanhas de desinformação” sobre o coronavírus, mas ainda assim ter em mente o fato de que os hábitos de alguns clientes podem ser alterados para sempre. E ele, junto com muitos outros operadores, está repensando as remodelações e analisará com atenção o futuro desenvolvimento de lojas exclusivas para drive-thru.

Oportunidades para quem está preparado

Como acontece com todo grande evento econômico, haverá falhas e oportunidades que vêm com a consolidação e nova disponibilidade de espaço de varejo de primeira linha.

“Estou em uma situação muito boa, e já estamos grandes”, diz Werner. “Eu só quero proteger a empresa. Eu não teria medo de investir, mas teria que fazer muito sentido para mim. ”

Simmons – que já operava em um espaço de saúde e bem-estar em expansão antes da Covid-19 e que agora vê um público com maior valorização dos benefícios mentais e físicos do condicionamento físico – está cautelosamente otimista em relação ao desenvolvimento de novos clubes e menores oportunidades de aquisição. “Não achamos que faltem maneiras de jogar no ataque”, disse ele em um episódio recente do podcast HALO Talks sobre saúde, estilo de vida ativo e podcast ao ar livre.

Barr, um otimista por natureza, acredita que “todos nós vamos superar esta crise”. Ainda assim, diz ele, há muitos mais capítulos a serem escritos sobre o impacto da Covid-19. “Com 40 milhões de pessoas desempregadas, temo que, eventualmente, a ajuda do governo seja interrompida e os gastos do consumidor diminuam. Se isso ocorrer, o foco em 9 meses será em como as marcas agregam valor ao dia a dia dos consumidores ”, afirma.

Futuro incerto

Robert concorda, e diz que é difícil prever as mudanças definitivas, começando com a forma como o papel do governo na recuperação irá evoluir. Ele projeta quebras orçamentárias severas nos níveis federal, estadual e local, à medida que as pessoas assumem menos riscos de negócios e as receitas fiscais continuam sendo insuficientes.

“Alguns governos podem encolher, com menos espaço para aumentos nas agências públicas e quase públicas”, diz Robert. “Alguns podem continuar com a flexibilização das regulamentações que permitiram que as empresas continuassem vivas durante a pandemia para estimular o crescimento e fazer as pessoas voltarem ao trabalho. Outros dobrarão e aumentarão os impostos e intensificarão as regulamentações, mesmo na devastação econômica pós-pandemia. Muitas coisas podem acontecer. ”

Leia também: